24 setembro, 2010

Coisas Frágeis

blue_moon_by_piciulik @deviantart.com

na noite fria
de um azul aflito
era eu a edícula
de teus calados anseios

coisas frágeis
segredos vagos
nas paredes retorcidas
d’um fado desvelado

a navalha da verdade veio
do silêncio que não cala
quando me deixastes
pra sombra de uma lua amarrotada

Um comentário:

poetamatematico disse...

Foi uma boa surpresa conhecer seu blog...

Gostei muito do poema

"a navalha da verdade veio
do silêncio que não cala
quando me deixastes
pra sombra de uma lua amarrotada"

Diz tanta coisa em tão poucas palavras, tem uma sonoridade tão especial...

O portuges me fascina..

Obrigado pela visita